Como transformar seu conteúdo institucional em um infográfico atrativo

O infográfico é uma excelente opção para a transformação visual de conteúdo.

TenCom-Infografico_blogCom tantos conteúdos e estratégias digitais mirabolantes para captação de clientes, como sua empresa pode ser relevante no primeiro contato? Como transformar conteúdos complexos e volumosos em um material conciso e atrativo, que vá direto ao ponto? E mais que isso, como usar seu conteúdo institucional “maçante” como ferramenta de atração de novos clientes?

A resposta é fácil: TRANSFORME SEU CONTEÚDO EM UM INFOGRÁFICO.

Você deve estar se perguntando: Por quê?

O infográfico é lido em poucos minutos, já que é predominantemente visual, fácil de compreender e atinge um número muito maior de leitores. As pessoas adoram fatos, figuras e estatísticas, pois sua absorção é mais fácil considerando que 90% das informações que chegam ao cérebro são visuais. Além disso, o infográfico tem maior capacidade de viralizar do que um conteúdo comum, e possui grandes taxas de abertura. Segundo estudos empresas que utilizam infográficos crescem seu tráfego 12% mais que marcas que não utilizam.

O grande segredo é apresentar para o seu público informações quantitativas e qualitativas sobre o seu produto e/ou serviço e diferencial competitivo. Sem rodeios, transmitindo realmente o que seu cliente quer ver e ouvir. Veja o exemplo abaixo:

Exemplo-infografico

Conclusão: qualquer empresa seja qual for o tamanho ou setor, poderá se beneficiar do potencial de um infográfico. Além de fortalecer o reconhecimento da marca, ele também possui grande chance de ser referenciado e replicado nas redes sociais com muito mais frequência do que outros tipos de conteúdo.

UM POUCO DE HISTÓRIA

A história da infografia é mais antiga do que podemos imaginar. Pinturas rupestres de 30.000 a.C. poderiam facilmente ser chamadas de primeiros infográficos, retratando animais e outros recursos na área ao redor. Como representações visuais de dados, eles são definitivamente infográficos.

O mesmo pode ser dito para os hieróglifos egípcios. Por volta de 3000 a.C., os antigos egípcios usaram estes “infográficos” para contar histórias de vida, trabalho e religião.

A história um pouco mais moderna dos infográficos poderia muito bem começar com William Playfair, um inovador em Gráficos Estatísticos. Em 1786, ele publicou o The Commercial and Political Atlas, que exibia muitos gráficos de barras de linhas e histogramas que representavam a economia na Inglaterra.

Em 1857, a enfermeira inglesa Florence Nightingale usou gráficos informativos – principalmente o gráfico Coxcomb, uma combinação de gráficos de barras e de pizza empilhados – para mudar a história e persuadir a Rainha Vitória para melhorar condições em hospitais militares. Seus gráficos mostravam números e as causas de mortes durante cada mês da Guerra da Crimeia: doenças evitáveis em azul, feridas em vermelho, e outras causas em preto, podemos dizer que ela foi criativa e uma excelente ilustradora para sua época.

Falando da Inglaterra, um grande passo na história da infografia foi tomado em 1933, quando Harry Beck criou o primeiro mapa do metrô de Londres, mostrando apenas linhas para descrever as rotas de transporte público e estações. Este foi um importante passo para o desenvolvimento, uma vez que levou os diagramas visuais para a vida cotidiana.

Da mesma forma, para simplificar as coisas para os viajantes e turistas, em 1972, Otl Aicher criou um conjunto de pictogramas para os Jogos Olímpicos de Munique, que utilizava figuras humanas estilizadas. Estes infográficos se tornaram incrivelmente populares e influenciaram a concepção de muitos sinais públicos de hoje – como a figura de atravessar a rua com o sinal “Walk”.

Seguindo em frente, em 1975, chegamos ao pai da visualização de dados, Edward Tufte. Esse foi o ano em que, enquanto ensinava na Universidade de Princeton, Tufte desenvolveu um seminário sobre gráficos estatísticos com John Tukey, um pioneiro no campo do design da informação. Tufte mais tarde autopublicou Display Visual em 1982, estabelecendo-se como um perito em infográficos.

A história recente inclui o advento dos gráficos criados em softwares, especialmente Excel e PowerPoint. Esta explosão de ferramentas de visualização de dados fáceis de usar levou a uma expansão dos infográficos e popularização na inteligência de negócios.

Fontes:
www.visual.ly/era-visual-mediation
www.customermagnetism.com/infographics/what-is-an-infographic

www.neoman.com/interactive/13reasons
www.seomoz.org/ugc/7-steps-to-make-your-infographic-a-sucess
www.slideshare.net/fabioricotta/infograficos-e-seo
www.viverdeblog.com.br

Google Adwords – MÓDULO, C. M. Infográficos: características, conceitos e princípios básicos1. Brasil, GT de Jornalismo,do XII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste.